Não acomodar com o que incomoda.

Sobre o Primeiro Beijo – Resenha Crítica (29/09)

“O primeiro beijo, seja isso bem claro, não o dão os lábios mas os olhos .” (Don Juan Bernardi)

O conto “Primeiro Beijo” de Clarice Lispector retrata o amor na adolescência, com todos os típicos questionamentos e sensações dessa fase divisora entre infância e idade adulta.

O texto se apresenta predominantemente em terceira pessoa e mantém a principal característica dos textos de Clarice Lispector: uma incrível riqueza de detalhes ao descrever o subconsciente de seus personagens. Como pode se verificar nos seguintes trechos de outras obras, como no conto “O Búfalo” presente do no livro “Laços de Família”:

“Como se ela não tivesse suportado sentir o que sentira, desviou subitamente o rosto e olhou uma árvore. Seu coração não bateu no peito, o coração batia oco entre o estômago e os intestinos.”

No ínicio do conto nos deparamos com uma discussão entre dois adolescentes apaixonados, que serve como gancho para o desenvolvimento da história, que se dá nas lembranças do personagem.

A realidade irrefutável do texto é o amor que o personagem tem por sua namorada. E a dúvida na história é o significado que o garoto atribui á forma como matou a sede naquela tarde de verão no caminho da excursão num chafariz que havia uma estátua em forma de mulher, dando tamanha profundidade ao momento vivido, como se tivesse tocado, como se tivesse sentido os lábios daquela mulher nos seus. E como num beijo, sentiu o líquido revitalizante da suposta saliva da mulher e sentiu tamanha tensão que pela primeira vez, sentiu que havia se tornado homem. Essa emoção incontrolável pode ter sido causada além do toque da estátua nos seus lábios,como pela própria forma que se apresentava: uma forma feminina completamente nua. O que como o garoto sendo um personagem na puberdade, não pode evitar de se sentir maravilhado pelas curvas da mulher de pedra.

Conforme o filósofo francês Michael Foucault afirma “Aquilo qualificado de verdadeiro não habita num já-aí; antes, é produzido como acontecimento num espaço e num tempo específicos. No espaço, na medida em que não pode ser válido em qualquer lugar; no tempo, porque algo é verdadeiro num tempo propício”, não há como comprovar ou negar o acontecimento desse beijo, já que a intenção de Clarice nesse texto é mostrar o sentimento, a sensação do personagem a essa situação totalmente nova. E se formos por essa linha de pensamento, também existe uma relação com o discurso de Sartre, que diz que “a imaginação dos leitores que faz com que a obra tome vida”. É justamente o que ocorre nesse texto.

A riqueza de descrição psicológica, que é característica da literatura de Clarice Lispector, o ar doce que o texto tem, a universalidade e a atemporalidade do texto que ao tratar da inocência da puberdade, traz a tona sentimentos que nós vivemos algum dia, fazem desse conto uma grande obra literária. E retomando a citação de Don Juan, o primeiro beijo é dado realmente com os olhos, com o coração, portanto é algo a parte do tempo cronológico, trata-se de algo emocional.

 

 

Referências Bibliográficas:

LISPECTOR, Clarice “Felicidade Clandestina” Editora Rocco, Rio de Janeiro, 1998.

LISPECTOR, Clarice “Laços de Família” Editora Rocco, Rio de Janeiro, 2000.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s